Notícias da Web

Os ministros de Temer

 

Junho de 2016

 

O governo do presidente interino Michel Temer está completando um mês. Nessas quatro semanas, três ministros nomeados por ele tiveram que deixar o governo, devido a denúncias de envolvimento com a corrupção. Romero Jucá (Planejamento), Henrique Eduardo Alves (Turismo) e Fabiano Silveira (Transparência, Fiscalização e Controle) foram forçados a pedir demissão por serem denunciados na Operação Lava Jato, que investiga corrupção na estatal Petrobrás. Dos 22 ministros escolhidos por Temer, pasmem, outros 16 possuem algum tipo de envolvimento com denúncias de corrupção. Hoje, a maior dificuldade do presidente é encontrar algum amigo ou aliado que esteja com a ficha limpa.

Temer não está sozinho nesta estatística nefasta. A presidente Dilma Rousseff também tinha um bocado de auxiliares metidos em denúncias de corrupção, Lula e FHC idem. Esta situação tem levado o Brasil a perder cada vez mais a credibilidade perante outros países, que têm interesse em fazer negócios por aqui.

Há quem considere essa situação o pior dos mundos para o Brasil. Ledo engano. Cada vez que um ministro cai por envolvimento em coisas erradas, é sinal de que as instituições estão funcionando no país, que o braço longo da Justiça ainda está funcionando, em que pese as decisões questionáveis.

Analisando o momento atual do país, faz-se necessário apoiar cada vez mais a Operação Lava jato, cujo comandante, o juiz federal Sérgio Moro, do Paraná, parece estar metido numa verdadeira cruzada contra a corrupção. Há de se louvar a atitude do juiz, que, a despeito dos protestos dos envolvidos, mantém-se firme, mandando para o xadrez figuras proeminentes do poder econômico do país, como é o caso dos diretores de empreiteiras e publicitários de alta estirpe.

É assim, eliminando os políticos corruptos um a um que, quem sabe, um dia poderemos ter mandatários melhores a governar o nosso país. O eleitor, que será chamado a votar no próximo dia 2 de outubro, também pode colaborar com a Justiça, deixando de eleger candidatos processados que estejam tentando chegar lá através de liminares ou mandados de segurança.


COLUNAS


OPINIÃO