Notícias da Web

Artigos de junho

 

Haja pessimismo!

 

Antonio Falcão – afalkao@hotmail.com

 

Em maio último, num bar, enquanto meu grupo falava mal de Vladimir Putin – o execrável presidente russo que quer, com a força econômica do gás natural e das armas, anexar a Ucrânia ao seu país –, informalmente um derrotista recém-convertido veio e se enturmou. Até aí, tudo bem. Ele, por sinal, disse-nos que o propósito maior da política russa é refazer o império czarista, que foi posto em ruína pelos adeptos de Lenin.

Porém – ai, porém –, esse instante de oásis foi desfeito pelo tal que chegara para se transformar de repente em um inominável estraga prazer. E tudo teve início quando me falou em off que havia ido este ano à Europa, como costuma fazer sempre numa mescla de negócio e turismo. “Só que os europeus ficaram o tempo todo dizendo que o Brasil é a sede do crime organizado, que dita normas e põe os policiais em polvorosa”, vomitou. E, no meu ouvido, expôs esta catástrofe: “Por conta disso, ninguém vai vir este ano à Copa do Mundo. Nem às Olimpíadas em 2016.”

Curioso é que, outrora, ele e eu torcíamos para que tudo desse certo em qualquer parte do mundo. E agora, de volta da viagem e com autoridade, o pessimista demoliu pedra por pedra o castelo das minhas certezas e esperanças. Tudo, como frisou, graças ao artigo Haja otimismo..., que escrevi no Jornal do Commercio em 28/07/2013. Sem me maldizer, entre outras coisas ele expôs que, das 12 arenas construídas no País, no pós-Copa quatro delas serão elefantes brancos em Manaus, Natal, Cuiabá e Brasília. Pior: “A pernambucana pode ser a quinta”, ameaçou. Segundo o estraga prazer, isso depois de um Mundial marcado por protestos, assaltos a turistas e nativos, afora desgraças como apagões e escassez de água. Mas o auge do pessimismo foi isto: “O que deveríamos fazer era adiar a eleição presidencial para 2015. Se não for possível, que se escolha indiretamente Joaquim Barbosa, ministro a sair do STF, para ficar à frente do Brasil até as Olimpíadas. A partir disso, elegeríamos Dilma (de novo) ou qualquer outro.” Em seguida a essa aberração, a mulher dele chegou de carro pra apanhá-lo e me disse sem-cerimônia que o marido vive às voltas com antidepressivos para debelar um suplício mental. “Por força do tratamento, inclusive, não fomos este ano à Europa, acredita?” (Ainda bem, madame. E como é bom saber que ele esteja tão doente assim – concluí no íntimo.)

 

*Escritor

 

Academia Igarassuense de Cultura e Letras – AICL

 

João Morais de Sousa*

No dia 13 de junho a AICL completou quatro anos. Nasceu com o propósito de defender a história e a cultura do município. E ser mais um espaço de resistência à cultura de massa, ao modismo e ao mercado. Seu objetivo principal é dotar Igarassu de um espaço voltado para o estímulo da produção literária e artístico-cultural de uma forma geral. Tendo como finalidade cultivar a língua, a literatura, a cultura local e disseminar a leitura para a formação de uma sociedade consciente, participativa e feliz. Parte da premissa de que só se conhece e aprende a gostar da cultura e da história local, revisitando-as e oportunizando espaços. A AICL possui atualmente 25 cadeiras, ocupadas por poetas, professores, escritores e pessoas ligadas à cultura, à educação e à história do município. Cada cadeira tem um Patrono escolhido entre aqueles que muito fizeram pela cena cultural, histórica e educacional de Igarassu. Vale lembrar que a AICL é um sonho realizado pelo professor Fernando Melo.

Nestes quatros anos a AICL tem participado, apoiado e promovido vários eventos e apresentações artístico-culturais tais como: palestras, saraus poéticos e musicais, lançamentos de livros, feiras e concursos literários, contação de histórias, fundação de bloco carnavalesco (História e poesia em folia) e comemorações de datas especiais  - dias do livro e da poesia. Também participado de visitas a espaços da história e da cultura como a realizada ao Memorial J. Borges, em Bezerros, e ao Museu do Cordel e Casa Museu Mestre Vitalino, em Caruaru. Ainda, promovido eventos que têm revisitado a história de Igarassu, como o 9 de março (chegada de Duarte Coelho em Igarassu) e o 27 de setembro (aniversário da cidade). Muitas dessas realizações em pareceria com o Instituto Histórico e Geográfico de Igarassu, O IPHAN local, a Prefeitura e a Câmara Municipal.

Uma realização esperançosa tem sido o II Concurso de poesia, intitulado “Igarassu em Versos”, uma promoção com a Secretaria Municipal de Educação, em parceria com o IPHAN.  Destinado, sobretudo, aos estudantes do ensino fundamental da rede pública e privada do município, com o objetivo de difundir a cultura, descobrir talentos e estimular a produção literária. Assim, como o anterior, as poesias concorrentes só podem abordar temas relacionados ao município – patrimônio histórico, cultura, meio ambiente, belezas naturais. Outras têm sido os Cafés Literários onde são lançados livros de autores locais e homenageados grandes nomes da cultura brasileira. No último, homenageou-se o centenário de nascimento de Vinícius de Moraes. Registra-se também caminhadas e trilhas ecológicas como as feitas pelo Rio São Domingos e em Três Ladeiras (ecossistemas de manguezais e áreas remanescentes de mata atlântica), sensibilizando os participantes para a defesa do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável. Mais realizações esperançosas têm sido as visitas às escolas de Igarassu para falar e estimular crianças, jovens e adolescentes o gosto pela poesia, literatura e cultura erudita e popular. Também os encontros literários e artísticos com as Academias coirmãs do Paulista e Abreu e Lima.

Assim, a AICL está aberta a todas as instituições e pessoas que têm pertencimento a esses ideais. Espera continuar atuante, participativa e combativa na preservação do patrimônio histórico-cultural, da memória, dos valores e tradições do povo igarassuense.

 

*Professor da UFRPE e Presidente da AICL


COLUNAS


OPINIÃO