Notícias da Web


NOSSO PLANETA

Genilse Gonçalves

 

Maio de 2017

 

O Rico Bioma Caatinga

 

A Caatinga é um bioma exclusivamente brasileiro, ocupando uma área de aproximadamente 844.453 Km². Estende-se por todo estado do Ceará e mais de metade da Bahia, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte; quase metade de Alagoas e Sergipe, além de pequenas porções em Minas Gerais e no Maranhão. O nome Caatinga significa mata branca em tupi-guarani, fazendo uma referência à vegetação desse bioma no período de seca, que perde suas folhas e fica com aspecto esbranquiçado. Nesse bioma vivem aproximadamente 28 milhões de habitantes. O clima é semiárido; e o solo, raso e pedregoso, é composto por vários tipos diferentes de rochas. O sistema de chuvas é complexo. Durante poucos meses caem chuvas irregulares e alguns anos são mais chuvosos alternados irregularmente com anos de secas. Além disso, serras e chapadas mais altas da Caatinga recebem maior quantidade de chuvas, que escoam dando origem aos rios e lagos da região, muitas vezes temporários. As áreas de planície estão sujeitas a um período de seca longo e severo. Os solos desse bioma possuem alta variabilidade, com maior ou menor capacidade de reter as chuvas. A quantidade de nutrientes é influenciada pelas mesmas características que influenciam a retenção de água. Os solos mais argilosos retêm mais água e nutrientes, já os de textura mais arenosa tem pouca capacidade de retenção. Fragmentos de rochas são frequentes na superfície, resultando em um solo com aspecto pedregoso. Apesar das condições severas, é possível encontrar uma diversidade de ambientes na Caatinga. A flora é uma resposta à variação na disponibilidade de água e nutrientes, formando um mosaico de diferentes tipos de vegetação adaptada ao tipo de solo e a disponibilidade de água. A maioria das espécies vegetais da Caatinga apresenta características xerófilas; espinhos, folhas pequenas e finas, com  raízes  tuberosas capazes  de captar água do subsolo, tendo aproximadamente 1.511 espécies vegetais já foram registradas nesse bioma, entre as quais aproximadamente 380 são endêmicas. As principais famílias de plantas são CactaceaeEuphorbiaceae, Bromeliaceae e Leguminosae. A fauna é bastante diversificada, sendo representada por muitas espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios, peixes, dentre tantos outras espécies. Com características tão diversificadas o Bioma caatinga vem sendo ao longo dos anos explorado de forma inadequada, por essa razão só é evidenciado o longo período de seca. Todavia, explorado de forma sustentável é possível a convivência  com qualidade de vida, para tal citamos o Rio São Francisco , que em pleno sertão mostra um cenário para atividades econômicas diversas, também é cita-se o turismo ecológico Rural e os belos exemplos de agricultura familiar desenvolvida sobretudo nas cidades sertanejas que se adaptaram as diversidades da Caatinga. Em Pernambuco alguns programas estão sendo desenvolvido para convivência do semiárido, aqui citamos os desenvolvidos pela Semas, que  implanta cisterna e  atividades econômicas sustentáveis, como fogão ecológico, apicultura e outros além de  promover a valorização e a qualidade de vida das comunidades locais.

 

Leia Mais:Ecologia e Conservação da Caatinga: Marcelo Tabarelli & José Maria. Cardoso.



NOSSO PLANETA - Genilse Gonçalves

 

Março de 2017

 

O mês   de março  é o mês mais importante para  o plantio ,segundo os sábios agricultores. Mas é também o mês da árvore nordestina. Para conhecer um pouco mais sobre essa tão importante comemoração, apresento o texto da professora Dra. Isabelle Meunier da UFRPE.

 

A FESTA DAS ÁRVORES

 

No Norte e Nordeste do Brasil se comemora, desde 1965, a Festa Anual das Árvores na última semana de março, período muito oportuno porque coincide com a estação chuvosa na nossa região e vem logo em seguida ao Dia Mundial das Florestas (21 de março) e Dia Mundial da Água (22 de março). Afinal, florestas e água são tão próximas quanto essenciais à vida na Terra.

No entanto, apesar de ser uma deliberação tão antiga, editada há mais de 50 anos, a Semana da Árvore em março ainda não é conhecida por todos e é muito comum vermos escolas nordestinas homenageando as árvores no dia 21 de setembro. É certo que esse é um equívoco de pouca gravidade, além de ser bem-vindo o reconhecimento da importância desses seres em qualquer época do ano. Mas é importante se reconhecer o mérito desse antigo decreto de Castello Branco, apesar de produzido em plena ditadura, e se tentar compreender porque a antiga instituição do Dia da Árvore em setembro persiste até hoje na memória de pessoas que nem eram nascidas quando ele existia.

Primeiramente, a criação de uma semana dedicada às árvores deu oportunidade à realização de eventos muito mais consistentes e proveitosos do que as simples homenagens de um único dia. Também, e principalmente, reconheceu e valorizou a variabilidade ambiental do nosso grande país e considerou-a na definição de duas épocas distintas para a Festa Anual: março, para o Norte e Nordeste, e setembro para as demais regiões (veja o Decreto a seguir). E, sem dúvidas, ao considerar a distribuição das chuvas, pensou na realização de plantios nessas datas, ou seja, previu ações ambientais concretas e objetivas. Parece pouca coisa, mas são indícios que refletem uma inspiração realmente comprometida com o ambiente e com o reconhecimento da importância das árvores para o país e seus cidadãos.

                Estranho é observar como uma medida tão antiga e bem fundamentada não pegou completamente. Muito provavelmente pelo pouco empenho das autoridades responsáveis em cumprir seus papéis na divulgação das boas ideias e iniciativas e, mais ainda, pelo domínio cultural que o Sudeste exerce no Brasil. Livros didáticos e paradidáticos produzidos no eixo Sul-Sudeste acabam por trazer fatos e ideias nem sempre pertinentes ou relevantes à realidade do Nordeste que, por falta de uma leitura crítica, acabam por estabelecer como verdadeiros conceitos equivocados, que se reproduzem com ainda maior velocidade pelos poderosos instrumentos da Web.

                Mas temos tempo e capacidade para corrigir esses equívocos passados e homenagear, todos os anos, por toda uma semana (ou mais!), com ações bem concretas, essas formas de vida vegetal que tantos benefícios nos trazem, sem cobrar dos humanos nada além de um pouco de bom-senso e compromisso com o futuro. 

As árvores fornecem sombra para suportar o calor das grandes cidades ou o sol nas lides do campo. Fornecem alimentos para pessoas e animais através de seus frutos, sementes, folhas e flores.  Purificam o ar e protegem o solo da erosão. Além disso, incorporam ao solo matéria orgânica e nutrientes essenciais para o cultivo de alimentos. Fixam o carbono atmosférico e regularizam o ciclo hidrológico, protegem nascentes e margens de rios, embelezam as paisagens e fornecem matéria-prima para a marcenaria, carpintaria, todos os tipos de construções, marchetaria, indústrias de papel, farmacêutica, de higiene e muitas outras. Convertidas em carvão vegetal e outras formas de combustíveis, são fontes de energia para muitos processos de produção.

         Reconhecer a importância das árvores para a vida no planeta é sabermo-nos pequenos e dependentes mas, ao mesmo tempo, responsáveis pela manutenção da vida na Terra. É reafirmar nossa opção pela vida, pela solidariedade e pela esperança representadas por esses seres ancestrais, contra a violência, o imediatismo, a intolerância e o egoísmo. 

 

DECRETO Nº 55.795, DE 24 DE FEVEREIRO DE 1965


 Institui em todo o território nacional a Festa Anual das Árvores.

 Art. 1º - Fica instituída em todo o território nacional a Festa Anual das Árvores, em substituição ao chamado "Dia da Árvore" atualmente comemorado no dia 21 de setembro.

 Art. 2º - A Festa Anual das Árvores tem por objetivo difundir ensinamentos sobre a conservação das florestas e estimular a prática de tais ensinamentos, bem como divulgar a importância das árvores no progresso da Pátria e no bem-estar dos cidadãos.

 Art. 3º - A Festa Anual das Árvores, em razão das diferentes características fisiográfico-climáticas do Brasil, será comemorada durante a última semana do mês de março nos Estados do Acre, Amazonas, Pará, Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia e Territórios Federais do Amapá, Roraima, Fernando de Noronha e Rondônia; e na semana com início no dia 21 de setembro, nos Estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro, Guanabara, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

 Art. 4º - As comemorações ficarão a cargo dos Ministérios da Agricultura e da Educação e Cultura.

 Art. 5º - Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Florestal Federal.

 Art. 6º - Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

 

 



NOSSO PLANETA - Genilse Gonçalves

 

Janeiro de 2017

 

Nas férias cuide da sua Saúde e do Meio Ambiente

 

O mês de janeiro é o escolhido para maioria das famílias para tirar férias e o local preferido da maioria é a praia. Por isso mesmo aumenta também a quantidade de resíduos que muitas vezes escondem perigosos agentes causadores de doenças. Por isso é muito importante que cada um se responsabilize pelos seus resíduos, colaborando com a seletividade. Outro fator que pode estragar suas férias ou deixar sequelas o resto do ano é o excesso de sol causando desde pequenas queimaduras ou até insolação, também é importante escolher bem os alimentos que consumir com a quantidade de ofertas a disposição dos veranistas é importante escolher bem, verificando as qualidades de higiene e armazenamento dos mesmos. Mas é preciso também observar as sinalizações das áreas impróprias para banho. É importante também observar os fatores ambientais, como o regime das marés, bem como as áreas sujeitas a presença de tubarões e as áreas de incidência de água-viva e caravelas. O nosso litoral costuma ter alguns incidentes. Nesse período é bastante comum a ocorrência de águas-vivas e caravelas nas praias, já que elas buscam águas quentes para se reproduzir. Elas migram das regiões mais frias, como a Argentina, e se deslocam por todo o litoral do Brasil. Por causa temperatura do mar ser permanentemente alta, sobretudo no Nordeste, o que contribui para a concentração desses animais. Águas-vivas e caravelas (elas lembram uma bolsa de ar e são deslocadas pela ação do vento até a superfície) são cnidários, animais cujos tentáculos possuem células com substância urticante – expelem um veneno que provoca queimaduras. Enquanto a caravela fica boiando na superfície, a água-viva nada ativamente. Todavia as queimaduras não são letais, mas causam grandes incômodos, casos mais graves somente se algum veranista for atacado por várias colônias desses animais (caso raro em nosso litoral). Para prevenir de acidentes com águas-vivas e caravelas o ideal é evitar as águas onde elas existem em maior concentração, observando se há alguns espécimes na praia. Em caso de queimaduras, o primeiro cuidado é evitar coçar e esfregar a região atingida e usar a própria água do mar para lavar o local e procurar ajuda médica sempre.



NOSSO PLANETA - Genilse Gonçalves

 

Novembro de 2016

SUCATA TECNOLÓGICA

 A utilização do computador na sociedade tem sido ferramenta indispensável para sobrevivência para acompanhamento das tecnologias atuais, pois em quase toda ação cotidiana é possível fazer uso desta importante ferramenta, tais como as instituições bancárias usam para consultar extratos, saldos, depósitos, efetuar pagamentos. As relações pessoais também sofreram grandes impactos com o advento do computador e de tantas outras tecnologias, como a televisão, rádio, tablets, smartphone, Iphone, Ipod, Ipad. Assim, palavras como Internet, Twitter, msn, Facebook , são termos que incorporamos ao nosso vocabulário do dia a dia.Com os avanços tecnológicos que acontecem a todo instante, há grandes sobras de aparelhos  por não comportar   os novos aplicativos ou porque quebrou e não há mais peças para o reparo.  E não são apenas os aparelhos de computadores, mas também os telefones das diversas modalidades e modelos. O que fazer com tanta sucata? Uma das providencias é logística reversa, pois nesta o fabricante e distribuidor deve recolher seus resíduos o problema é a desinformação do cidadão que não cobra da loja que comprou o devido descarte, pois este deve ter um acordo ou plano com o fabricante do produto  para a distinção da sucata do aparelho eletrônico. O descarte inadequado destes resíduos causam  vários danos ao meio ambiente que afetam diretamente o cidadão, causando contaminação ao solo e consequentemente aos lençóis freáticos , bem como a atmosfera , sendo responsáveis pela poluição radioativa que é uma das mais graves tipos de contaminação. A sociedade vem se mobilizando para contribuir com a destinação correta das sucatas ou resíduos eletrônicos, como é o caso do Centro Marista Circuito Jovem que dedica-se no gerenciamento e gestão de resíduos de equipamentos eletroeletrônicos. Oferecem cursos ofertados pela unidade na área de recondicionamento de computadores; robótica livre, qualificação profissional na área Suporte Avançado em Recondicionamento de Computadores, Robótica Pedagógica Livre, Programação de Computadores, Novas Tecnologias e Meio Ambiente. Os computadores recondicionados serão doados para entidades que desenvolvem  atividades socioambientais. Outra entidade são os Trapeiros de Emaús que coleta, recuperação e venda de objetos usados e materiais recicláveis. Os objetos usados que recebemos em doação são recuperados nas oficinas de: marcenaria, eletroeletrônico, refrigeração e manutenção de computadores.

 

 Contatos: Maristas Circuito Jovem do Recife:43411428-Trapeiros de Emaús: 3451 - 2247



NOSSO PLANETA

Genilse Gonçalves

 

Junho de 2016

 

Junho Mês do Meio Ambiente

 

 

As comemorações do Dia Mundial do Meio Ambiente começaram em 1972 em Estocolmo na Suécia, que teve o objetivo de promover atividades de proteção e preservação do meio ambiente e alertar o público mundial e governos de cada país para os perigos de negligenciarmos a tarefa de cuidar do meio ambiente. Foi a primeira conferência em que se discutiu de forma consciente sobre as relações meio ambiente e ser humano e que os recursos naturais são finitos, portanto se faz necessário ações concretas de mudanças de padrões  de produção e consumo. No Brasil se comemora o mês todo de junho, o mês do Meio Ambiente, na qual se oportuniza para discutir politicas públicas ambientais com bases nos três pilares da Sustentabilidade Econômica, Social e Ambiental. Nesse sentido em Pernambuco colocamos a Educação Ambiental como diretriz básica para toda ação de preservação do Meio Ambiente, sendo estas direcionadas também para os municípios que pelas quais forma capacitados pelo Sistema Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade- SISEMAS, que dentre  outras orientações  estão o fortalecimento dos conselhos municipais e Fóruns Permanente de Desenvolvimento  Sustentável  que deve fazer o controle Social com o empoderamento desses atores. Esse mês a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade- SEMAS , lançou a 2ª Edição do Programa Estadual de Educação Ambiental  juntamente com a Comissão Interinstitucional  de Educação Ambiental- CIEA- PE, que deve nortear a Educação Ambiental em Pernambuco na oportunidade  foi lançado um edital de 2,925 milhões para fomentar Educação Ambiental nas Unidades de Conservação. O Programa de Educação Ambiental e o Edital de Educação Ambiental. Neste mesmo dia ocorreu a entrega do prêmio “ÁGUA NO MEU CAMINHO” onde foram premiadas 12 alunos da Rede pública, o concurso utilizou como mote o recurso natural água para sensibilizar a comunidade escolar no uso sbustentável desse recurso precioso, o referido concurso lançado no dia 22 de março, dia da água, e desde então a  equipe de Educação Ambiental da SEMAS,  utilizou como subsídio a água para implementar a Educação Ambiental nas escolas, pois a comunidade escolar é a base para efetivação da Sustentabilidade  Ambiental  agora e nos próximos anos, pois se educarmos as pessoas, os jovens, durante seu período escolar quando se tornarem adultos levarão  essas lições para sua vida.

 



NOSSO PLANETA

GENILSE GONÇALVES

 

Janeiro de 2016

 

Aproveitamento da água das chuvas

 

A chuva é um fenômeno natural muito importante para manutenção do sistema hídrico no mundo em especial no Nordeste do Brasil. No entanto alguns transtornos ocorrem nas cidades por causa das chuvas causando alagamentos, transbordos de rios, canais desabamentos de barreiras e morros e agora criatórios do transmissor de dengue, zika vírus chikungunya dentre outras doenças ocasionadas de águas paradas ou mal armazenadas. Porém isso só ocorre pelo aproveitamento inadequado da água, também pela falta de planejamento das cidades, com construções em lugares inadequados para habitações, pelo impedimento dos cursos natural da água, bem como pelo desmatamento de áreas, desprotegendo solos e encostas. Nos dias atuais com os avanços das tecnologias é possível um planejamento para um bom aproveitamento das águas das chuvas, pois já é possível prever o quanto e quando choverá em cada região. É preciso que governos e sociedade trabalhem em conjunto com a finalidade de aproveitar a água das chuvas de forma que essa venha a sanar a escassez de água de forma eficiente. A implantação de cisternas nas comunidades; sistema pela qual a água da chuva é captada por calhas e dutos do telhado ou de pisos enchendo o reservatório (cisterna) que pode ser usada para irrigar e lavar. É um bom exemplo de aproveitamento da água. Porém recomenda-se fazer um tratamento para poder ingerir a água da chuva pois essa teve contato com alguns poluentes da atmosfera. Os tipos de cisterna mais comuns são; Cisterna de placas de cimento, de placa de comento, de plástico, de tijolo, de fibra de vidro. Os governos federal e estadual possuem programa de construção de cisternas para armazenamento de água no sertão, como o Programa Cisternas pelo Ministério de Desenvolvimento Social e Combate a Fome e pelo Programa de Combate a Desertificação pelo governo do estado de Pernambuco. Por causa do racionamento de água os cidadãos estão armazenando água onde pode, como botijões de plásticos, baldes, bacias e até panelas, mas é preciso proteger não só das impurezas, mas dos mosquitos transmissores de doenças, por isso é importante colocar tela fina nos recipientes e prender  com elástico.

Mais Informações: http://mds.gov.br, www.pe.gov.br, http://asapernambuco.blogspot.com.br

 



NOSSO PLANETA - GENILSE GONÇALVES

DEZEMBRO - 2015

 

Natal Sustentável

 

A celebração do Natal de Jesus foi instituída oficialmente pelo Papa Libério, no ano 354 d.C,(depois de Cristo). Como não havia uma concordância exata para o dia do nascimento de Jesus, por conta dos calendários romanos e de outras culturas na época, essa data começou a ser unificada entre os cristãos da Igreja Católica Apostólica Romana e adotada ao longo do tempo por outros grupos socais.

Com o passar dos anos, as festividades, que iniciaram com trocas de presentes como partilha, sendo para muito de nós Jesus o presente valioso enviado por Deus. Todavia, como o passar dos tempos, os presentes passaram a ter mais valia do que o aniversariante. As cidades, as casas, os estabelecimentos em geral se enfeitam e muitas vezes o aniversariante fica de fora. É um período em que o comércio fatura muito e o índice de desemprego diminui, pois há os empregos temporários.

No entanto é preocupante o que se gasta com decoração e os resíduos que tudo isso resulta. Se bem que nos dias atuais a preocupação com a sustentabilidade vem aumentando, com decoração com material reciclável, o reaproveitamento de materiais de anos anteriores, há também uma crescente preocupação , com as iluminações natalinas , com lâmpadas mais econômicas ou mesmo diminuindo a quantidade de luzes e o tempo de exposição e desligamento. Outro aspecto positivo é também o aumento da sensibilização para o verdadeiro sentido do Natal, com as várias campanhas solidárias em que se mostra o amor ao próximo que foi inclusive a mensagem pregada por Jesus. É também visível a sensibilidade de perdão aflorada nas pessoas o que muitas vezes para alguns soam como falsidade, mas quem sabe naquele momento em que a pessoa cumprimentou, sorriu ou fez um gesto a alguém que não falava a tempos não é verdadeira, mesmo que talvez não dure muito tempo, mas também é válido afinal estamos todos em constante crescimento  e evolução.



NOSSO PLANETA - Genilse Gonçalves

Outubro de 2015

 

Licenciamento ambiental

 

No artigo 225, da Constituição Federal do Brasil assegura-se que: Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever  de  defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações. A Constituição Brasileira também assegura os valores sociais do trabalho e a livre iniciativa, portanto exercer as atividades lucrativas usufruindo dos Recursos Naturais, no entanto é preciso observar e respeitar as Leis Vigentes para exercer atividades respeitando o Meio Ambiente, para tal, o mecanismo é o Licenciamento   Ambiental. O licenciamento ambiental é uma obrigação legal prévia à instalação de qualquer  empreendimento ou atividade potencialmente poluidora ou degradadora do meio ambiente e possui como uma de suas mais expressivas características a participação social na tomada de decisão, por meio da realização de Audiências Públicas. O licenciamento ambiental vem, então, como um importante instrumento de gestão da Administração Pública: por meio dele é exercido o necessário controle sobre as atividades humanas que interferem nas condições  ambientais. Através dele há a conciliação do desenvolvimento econômico com o uso dos  recursos naturais, de modo a assegurar a sustentabilidade do meio ambiente, nos seus aspectos físicos, socioculturais e econômicos. E sobre a competência de quem é a obrigação do licenciamento a Constituição Brasileira no artigo 23 diz: "É competência comum da União, dos  Estados, do Distrito Federal e dos Municípios”. Porém cada órgão tem sua especificidade. A Resolução 237 do CONAMA confere  aos estados competência residual em matéria de  licenciamento, e atribui aos Municípios o dever de licenciar no caso de empreendimentos e  atividades de impacto ambiental local. Vale lembrar que licenciar não significa que tudo é permitido e que licença é pra sempre. Uma licença também pode ser caçada, pois esta é concedida para as atividades permitidas por Lei, não confere o poder do empreendimento a  autorização para degradar e, se a atividade for geradora de impacto, que essa seja reparada. Todo cidadão tem o dever de fiscalizar e o direito de  ser informado e esclarecido   sobre as políticas ambientais.

 São órgãos ambientais: IBAMA, ICMbio, CPRH e Agências Municipais de Meio Ambiente. Esses  órgãos devem disponibilizar informações atualizadas sobre as políticas ambientais de suas respectivas instâncias de forma transparente para sociedade. A sociedade ainda  pode e devecontar como o Ministério Público de Meio Ambiente. 

Mais Informações: www.mppe.mp.br, www.mma.gov.br



Nosso Planeta - Genilse Gonçalves

Bioquerosene - um combustível sustentável

 

  Em uma sociedade  cada vez mais exigente e consciente pela qualidade devida no planeta Terra , discute-se formas sustentáveis  de  combustíveis nos meios de  transportes. O   bioquerosene,  produzido  a  partir  da  cana-de-açúcar, segundo a certificadora internacional de padrões industriais ASTM, já pode ser adicionado na proporção de até 10% ao querosene de aviação de origem fóssil. A resolução favorece a indústria aeronáutica mundial, que agora poderá contar com os benefícios proporcionados pelo uso do combustível limpo para reduzir o impacto ambiental das viagens aéreas.  O primeiro teste com bioquerosene foi realizado em junho de 2012, em voo entre os aeroportos de Viracopos, em Campinas  (SP),  e  Santos  Dumont  no  Rio  de  Janeiro,  cidade sede  da Conferência  das  Nações  Unidas  sobre  Desenvolvimento  Sustentável (Rio+20). Os aviões  abastecidos por querosene fóssil soltam na atmosfera mais de 700 milhões de tonelada por ano , representando assim 2% do total de gases  do efeito estufa. Em Pernambuco, a    Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Estado (SEMAS), com   articulação  com outros órgãos do governo e entidades, estimula a criação  uma plataforma de produção de bioquerosene. A idéia é tornar viável a instalação de uma base de produção de bioquerosene  para  fornecimento  regular  às  empresas  aéreas  na  rota  de Pernambuco. Assim sendo, o primeiro voo no nosso estado acontecerá no dia 5 de junho com saída de Recife em direção a Fernando de Noronha.

A produção de bioquerosene de aviação em Pernambuco também faz parte do programa Noronha Carbono Neutro, coordenado pela secretaria, que pretende neutralizar as emissões de gases causadores do efeito estufa. “O programa pretende tornar o arquipélago de Fernando de Noronha num modelo de gestão ambiental  para o mundo com a adoção desse combustível pelas empresas áreas que operam na ilha”, explica  o  secretário  de  Meio  Ambiente  e Sustentabilidade de Sérgio Xavier.



NOSSO PLANETA - Genilse Gonçalves

Fevereiro/2015

 

A arborização e a qualidade de vida

 

Com o aumento populacional  as áreas construídas das cidades aumentaram  e diminuíram as áreas arborizadas  e consequentemente as sombras oferecidas pelas árvores. A arborização urbana é caracterizada principalmente pela plantação de arvores de porte específicos para praças, parques, nas calçadas de vias públicas e nas alamedas e se constitui hoje em dia uma das mais relevantes atividades da gestão urbana, devendo fazer parte dos planos, projetos eprogramas  urbanísticos  das  cidades. Mas   a  importância  dessa  providência  vai  além  do oferecimento das sombras  e embelezamento da cidade,  tem a finalidade de propiciar um equilíbrio ambiental entre as áreas construídas e o ambiente natural alterado. Sabe-se, porém, quem nem todo espaço das cidades pode se plantar uma árvore, então para pequenos espaços sugere-se jardins pois toda a vegetação existente na cidade deve ser considerada como área verde, inclusive as árvores de porte que estão nos quintais, ou seja em áreas particulares. Pois estas também são áreas verdes dentro da cidade  E toda cidade que preza pela qualidade de vida dos seus munícipes  observa legislação  atual  relacionado a áreas  de vegetação pois há Leis específicas que as protege. Portanto, toda vegetação ou árvore isolada, quer  seja ela pública ou particular, ou de qualquer forma de disposição que exista na cidade, constitui a “massa verde urbana”, portanto  a sua área verde e precisa ser protegida e se por ventura estiver em ameaça de  cair ou danificar residências, um estudo de impacto deve ser realizada, assim sendo se a preservação dessa espécie vegetal  não se adequar ao espaço eprecisar ser suprimida outras espécies de vegetais deve ser colocado para  mitigar os impactos gerados.

Assim sendo, convidamos a todos para adotar uma planta, seja árvores ou planta de jardim, e assim proteger nossa cidade mantendo o equilíbrio ambiental.



Coluna de junho

Copa do Mundo: um evento sustentável?

 

Um evento como a copa do mundo é muito esperado por todos, tanto pelos entusiastas torcedores, como pra os comerciantes, e empresários, sem falar nos governantes que vai ficar na história como uma grande realização da gestão em questão. No entanto os impactos gerados nem sempre são positivos. É verdade que a verba destinada pra a realização dos estádios, é de rubrica própria, não podendo ser usada pra outra obra, porém se espera que com o mesmo empenho que se constrói um estádio, construa-se também hospitais, escolas, postos de saúde, mas lamentavelmente não é o que vemos. Há fila em todos os serviços públicos desde a marcação de uma consulta, a uma cirurgia de emergência. Mas é claro que os idealizadores do evento coloca na frente a injeção econômica que o país está recebendo. Economia essa que não chega impactar na vida do cidadão comum, a não ser o fato de ver o país unido pelo menos em parte vestido de verde amarelo para torcer pela seleção brasileira. Contudo os grandes ganhadores são os jogadores de futebol, seus clubes empresários e as grandes marcas, sobretudo as de materiais esportivos, que tudo associam a copa do mundo pra vender mais. É mesmo esse tipo de economia que precisamos? É esse consumo que vai equilibrar nossas finanças e aumentar a autoestima dos brasileiros? Ganhar ou perder a copa vai acabar com a inflação, reduzir os níveis de pobreza, acabar com a violência, proteger nossas crianças orientar nossos jovens? É preciso uma reflexão e uma tomada de decisão profunda baseada em pilares que sustentam a sociedade, como dignidade, trabalho honesto, respeito e amor ao próximo. A copa pode ser um meio de o brasileiro se unir e tomar como exemplo para outras ações no exercício de uma sociedade mais justa e igualmente sustentável, bom pra se viver.

 

Dica: Nas festas juninas e nos jogos da Copa vamos colocar os resíduos nos devidos coletores e deixar nossas cidades limpas, afinal temos visitantes no país - nossa casa, mas também nós merecemos viver numa acidade limpa.



COLUNA DE MAIO

Hortas urbanas uma opção sustentável

 

Nos dias atuais as pessoas estão cada vez mais exigentes com a qualidade de alimentos, no entanto está cada vez mais difícil e caro adquirir alimentos de boa qualidade.  Mas há alternativas, como a aquisição de produtos orgânicos e melhor ainda produzir o próprio alimento, em pequenos espaços individuais ou coletivos para a cultura de legumes, frutos ou flores, em áreas urbanas ou periurbanas, em ruas, quintais, praças, denominadas hortas urbanas.

As hortas urbanas podem ser classificadas em categorias distintas em função do uso:

 

Hortas sociais – usadas para atender às necessidades alimentares de pessoas e/ou famílias de poucos recursos, podendo a eventual venda de produtos constituir um complemento de rendimento;

 

Hortas coletivas – usadas por grupos de moradores para melhorar o ambiente e a promoção de educação ambiental;

 

Hortas pedagógicas – usadas como instrumento de educação ambiental. Mas quem não tem espaço mínimo há a alternativa das hortas verticais, ou seja, em paredes penduradas com garrafas PETS, vasos e outros materiais usados para canteiro.

 

São inúmeras as vantagens para o cultivo de hortas urbanas, que vão desde economia, a certeza das origens das hortaliças, resolve o problema dos resíduos orgânicos; cascas de frutas, de verduras, folhas, que se tornam adubo orgânico pra a horta cultivada, até a conservação do ambiente com mais ar puro produzido por esses vegetais. Se todas as pessoas mantiverem uma horta urbana em casa se todas as escolas públicas e privadas mantiverem suas hortas teríamos produtos de qualidade e uma significativa economia em seus orçamentos.

 

Dica Sustentável: As escolas públicas estaduais e municipais podem manter hortas em suas dependências mesmo que em pequenos espaços.

Informações:agenda21igarassu@Yahoo.com.br



COLUNA DE ABRIL

Planejamento urbano sustentável

A adoção de um planejamento de políticas públicas com práticas eficientes voltadas para melhoria da qualidade de vida da população, com desenvolvimento econômico e preservação do meio ambiente. Numa cidade sustentável o modelo e a dinâmica de desenvolvimento, são além dos padrões de consumo, respeitam e cuidam dos recursos naturais e das gerações futuras. Parece uma utopia, sobretudo porque muitas vezes há uma descontinuidade de programas de governos e há também muitos entraves de vícios já culturalmente encontrados em outras administrações, seja de pessoas ou de construção. Mas é possível tornar sustentável tais políticas, porém leva tempo e precisa de tolerância e participação de todos, sociedade e governos. Já existem cidades que conseguiram esse modelo de desenvolvimento, como é o caso Porto Alegre, Curitiba, São Carlos, Rio Branco e outras. Essas cidades adotam as seguintes condutas: Ações efetivas voltadas para a diminuição da emissão de gases do efeito estufa, visando o combate ao aquecimento global e a poluição do ar. Medidas que visam à manutenção dos bens naturais comuns. Planejamento e qualidade nos serviços de transporte público, principalmente utilizando fontes de energia limpa. Incentivo e ações de planejamento para o uso de meios de transporte não poluentes como, por exemplo, bicicletas. Ações para melhorar a mobilidade urbana, diminuindo o tráfego de veículos. Aplicação de programas educacionais voltados para o desenvolvimento sustentável. Investimentos em educação de qualidade. Planejamento e reforma urbana eficiente, principalmente levando em consideração o longo prazo, sobretudo a moradia acessível e sustentável. Favorecimento de uma economia local dinâmica e sustentável. Adoção de práticas voltadas para o consumo consciente da população. Ações que visem o uso racional da água e seu reaproveitamento. Práticas de programas que visem à melhoria da saúde da população. Criação de espaços verdes (parques, praças) voltados para o lazer da população. Programas voltados para a arborização das ruas e espaços públicos. Promoção de justiça social. Destino adequado para o lixo. Criação de sistemas eficientes voltados para a reciclagem de lixo.

 



NOSSO PLANETA - Genilse Gonçalves

Tráfico de pessoas e a dignidade humana

 

A palavra tráfico quer dizer atividade ou negócio ilícito ou ilegal, então pelo significado  já não deveria se referir a pessoa humana, porém  segundo dados  da ONU, o tráfico de pessoas movimenta anualmente 32 bilhões de dólares em todo o mundo. Desse valor, 85% provêm da exploração sexual. A ONU também divulgou que, o tráfico de crianças e a venda de órgãos são os negócios mais lucrativos, porém há também registros de trabalho escravo. Atualmente cerca 2,5 milhões e meio de pessoas são vítimas de tráfico humano. No Brasil, o trabalho análogo à escravidão concentra-se, sobretudo nas indústrias madeireira, carvoeira, de mineração, de construção civil e nas lavouras de algodão e soja. 

A Campanha da Fraternidade 2014 tem como tema: “Fraternidade e Tráfico Humano”, cujo lema será: “É para a liberdade que Cristo nos libertou”. Sendo um apelo para que cada cidadão reflita, discuta, denuncie. É importante alertar e ficar atentos, ao verificar que existem indícios de tráfico humano, dê as seguintes orientações:

 

1) Duvide sempre de propostas de emprego fácil e lucrativo.

 

2) Sugira que a pessoa, antes de aceitar a proposta de emprego, leia atentamente o contrato de trabalho, busque informações sobre a empresa contratante, procure auxílio da área jurídica especializada.

 

3) Evite tirar cópias dos documentos pessoais e deixá-las em mãos de parentes ou amigos.

 

4) Deixe endereço, telefone e/ou localização da cidade para onde está viajando.

 

5) Informe para a pessoa que está seguindo viagem endereços e contatos de consulados, ONGs e autoridades da região.

 

6) Oriente para que a pessoa que vai viajar nunca deixe de se comunicar com familiares e amigos.

A atenção deve ser redobrada em caso de propostas que incluam deslocamentos, viagens nacionais e internacionais.

 

O tráfico de pessoas e sem dúvida a face mais cruel da tragédia humana da busca desenfreada pelo lucro e pelo enriquecimento, mais é possível combatê-lo, em primeiro lugar estando sempre indignado com esta prática abominável e em segundo lugar denunciando sua prática ou suspeita à secretaria nacional de direito humanos através do Disque 100 ou 180, o sigilo é garantido ao denunciante.



NOSSO PLANETA - Genilse Gonçalves

O descarte dos resíduos

A população do Brasil aumentou 9,65% nos últimos dez anos ,no  mesmo período, o volume de lixo cresceu mais do que o dobro disso, 21%. É mais consumo, gerando mais lixo, que nem sempre vai para a destinação correta - o Aterro Sanitário.  Além disso, nem tudo que é descartado, realmente é lixo, muitos poderiam e deveriam ser reaproveitado, reciclado,ou ser transformado em objetos de artes ou mesmo adubo natural, como é o caso dos resíduos orgânicos-lixo molhado. Porém é preciso uma tomada de decisão imediata por todos; o cidadão de separar aquilo que realmente não é mais útil e colocar nos dias da coleta no seu bairro e do poder público, informar os dias da coleta e destinar ao aterro sanitário. E as instituições de educação seja formal, ou social de promover a educação ambiental de forma efetiva, onde todos são responsáveis pela destinação correta dos resíduos. A Lei nº 12.305/10, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)  exige uma participação de todos, cada um no seu papel. Os resíduos mal acomodados, ou espalhados no solo, levam ao empobrecimento deste, bem como a contaminação dos lençóis freáticos diminuindo a oferta e a qualidade de água potável, aumentando os casos de doenças, como hepatite e verminoses. Portanto todos podemos colaborar, desde o descarte até a destinação dos resíduos gerados por nossas atividades, se informando sobre os dias da coleta, separando para o catador da comunidade ou mesmo repensando no uso dos materiais descartáveis. Afinal queremos viver num planeta ambientalmente conservado e com justiça social.

Mais informações: Curta a página da Agenda 21 Igarassu no face e o  blog:


agenda21deigarassu.blogspot.com


COLUNAS


OPINIÃO